18 de maio de 2017

CONTEMPLAÇÃO






CONTEMPLAÇÃO
Saltei, brinquei, sorri e chorei
Senti o vento por mim a passar.
Vi os vaga-lumes no escuro a brilhar.
Vi as mariposas no céu a esvoaçar.
Não tenho mãe para dar uma flor, mas sei
Que lá do alto me dá seu amor.
Protegem-se a relva e a saudade, neste espaço.
Plantei ilusões, nasceram limões.
Há palavras ditas em orações, ao dizer te amo
Respondem os corações.
Nesta vida falta-me a vontade, o teu amor me fazia feliz.
Nesta hora de maldade, raiva e esperança
Neste dia subo ao céu num cordel, para colher palavras de confiança.
Pinto no mar, marés coloridas.
Meus passos perdidos, perdi anos, risos, abraços e vidas
Perdi teu amor, perdi a alegria ganhei o alento, ganhei muita força
Para lutar contra o vento.
Busquei tempestades busquei sete ventos
E quando achei que já sabia de tudo, descobri que
Para ser feliz basta apenas o momento.
Porque este é o tempo dos amores, dos poetas sonhadores,
O tempo dos amantes, e da saudade da clausura e da liberdade.
Quis pintar uma aguarela…, mas aí faltou-me a vontade.


28 de março de 2017

Noite do passado



A noite já desceu sobre o meu corpo
Cobrindo a minha face com tristeza
Neste meu coração acorrentado
Sufoca a minha voz ainda preza.

A noite já cobriu a minha alma
Trazendo a solidão à minha vida
Aguardo no refugio da saudade
Esta dor que me maltrata e me castiga.

A noite traz a sombra do passado
Traz amargo traz a dor que eu não quero
Eu sinto o coração tão apertado
Esquecer-me dessa noite eu assim espero.

Porém a minha noite é bem amiga
A noite não oculta a tua cor
Tu és meu bem meu mal a minha vida
És noite iluminada meu amor.




12 de março de 2017

SOMBRAS QUE FALAM

Chegaste na calada da noite, trazias a mágoa da longa viagem.
Mesmo sabendo que nada do que deixaste para trás ias encontrar.
Ficou apenas o vazio das paredes, agora despidas das fotos que antes lhe davam alegria.
Parti com a esperança de um dia te encontrar de certo saída
das páginas de um velho livro amarelecido pelo tempo.
Tempo em que esteve fechado no baú das nossas memórias.
Pela face te escorriam lentas duas lágrimas talvez as mesmas que trazias
quando vieste ao mundo…mundo que tudo o que te deu assim te tirou
porque nunca soubeste agarrar com as mãos… mãos que trazias sempre fechadas
onde nada entrou e nada saiu.
Estou longe porque não me podes ver, mas tão perto que te sigo
para todo o lado de mãos dadas ou na sombra!

Será esta a carta que nunca leste a mesma que um dia te escrevi.    

20 de fevereiro de 2017

Cristiano Araújo - É com ela que eu estou (DVD in The Cities) [Vídeo Ofi...

31 de janeiro de 2017

A NOÇÃO DO MEU TAMANHO


Aos poucos eu vou sentindo
Um sentimento tão estranho
E sem querer vou medindo
A força do meu tamanho.

Aos poucos vou entendendo
As virtudes da saudade
E assim compreendendo
A minha realidade.

Este coração magoado
Tem a força da razão
Tem submissão tem pecado
Tem carinho e afeição.

Um poema inacabado
Traz a saudade de outrora
Tem meu verso declamado
Para mandar a dor embora.

Aos poucos vou destruindo
O meu castelo de areia
Vejo como vai sumindo
Com a força da maré cheia.

Maré cheia sei que vais
Destruir o meu castelo
E contigo vais levar 
Para longe o meu sonho belo.



16 de janeiro de 2017

Kika Cardoso - I Knew

3 de janeiro de 2017

Amor em cinzas



Um dia com a alma já cansada
Sentei-me à tua porta para te ver
Olhei há minha volta e não vi nada
Do tanto que eu levara para dizer


Adormeci no degrau da tua porta
O frio me regelava as entranhas
Acordei em sobressalto alucinante
Era o pregão do homem das castanhas


Caminhei para junto dele tiritando
E a chuva miudinha ia caindo
Pedi-lhe que me deixasse aquecer
Do frio que me ia consumindo

O vaso das castanhas ia ardendo
E ali também ardia a minha dor
Por momentos me esqueci porque ali estava
Só sei que em cinzas está o nosso amor

Será que alguém um dia vai pensar
O sabor que podem ter essas castanhas
Pois digo que ali fui para me livrar
Desse amor que eu carregava nas entranhas.