12 de março de 2017

SOMBRAS QUE FALAM

Chegaste na calada da noite, trazias a mágoa da longa viagem.
Mesmo sabendo que nada do que deixaste para trás ias encontrar.
Ficou apenas o vazio das paredes, agora despidas das fotos que antes lhe davam alegria.
Parti com a esperança de um dia te encontrar de certo saída
das páginas de um velho livro amarelecido pelo tempo.
Tempo em que esteve fechado no baú das nossas memórias.
Pela face te escorriam lentas duas lágrimas talvez as mesmas que trazias
quando vieste ao mundo…mundo que tudo o que te deu assim te tirou
porque nunca soubeste agarrar com as mãos… mãos que trazias sempre fechadas
onde nada entrou e nada saiu.
Estou longe porque não me podes ver, mas tão perto que te sigo
para todo o lado de mãos dadas ou na sombra!

Será esta a carta que nunca leste a mesma que um dia te escrevi.    

2 comentários:

✿MIUÍKA✿ disse...

"Sombras que Falam", só o título, já é sugestivo e o poema em si , é lindo! Parabéns amiga. Para ti um beijinho grande da tua amiga...Miuíka

Maria Rodrigues disse...

Tão triste, profundo e sentido.
Um grito da alma.
Beijinhos
Maria